PET-CT Oncológico

Nos últimos anos, o PET-CT oncológico, assumiu um fundamental papel no tratamento do câncer.
No início da década de 80, a tomografia por emissão de pósitrons (PET), foi introduzida como método de imagem para avaliar a atividade metabólica no corpo humano.
Em 2001, foi adicionada a tomografia computadorizada (CT) ao PET, que evoluiu para os equipamentos híbridos PET/CT.
Estes equipamentos permitem a aquisição simultânea de imagens de CT e PET, tornando o método mais completo, possibilitando a exata localização da doença através da informação anatômica fornecida pela tomografia.
O PET-CT foi introduzido no Brasil em 2003. A constatação de seus excelentes resultados levou a uma ampla utilização do método.
As células malignas, em sua maioria, apresentam alto consumo de glicose quando comparadas aos tecidos normais. Esta diferença no consumo de glicose permite a detecção da doença pelo PET.
Desta maneira, consegue-se em conjunto como a tomografia computadorizada, detectar áreas alteradas tanto sob o ponto de vista anatômico, quanto metabólico.
Para a realização do exame é necessária a injeção venosa de uma substância chamada de fluoro-2-deoxi-glicose (FDG), um elemento muito similar à glicose, uma das principais fontes de energia celular. Uma pequena quantidade deste açúcar radioativo é injetado no paciente, e cerca de 60 a 90 minutos depois, são realizadas as imagens. O paciente permanece dentro do aparelho por 25 a 30 minutos. Não há restrições posteriores ao exame, podendo o paciente, assumir as suas tarefas habituais.
O PET-CT é um exame simples, seguro e indolor. Não causa nenhum efeito colateral, podendo ser utilizado inclusive em pacientes diabéticos. Por ser um equipamento aberto, não transmite a sensação de claustrofobia.
A principal vantagem do PET-CT em relação aos outros exames de imagens convencionais como a tomografia computadorizada, a ultrassonografia e a ressonância magnética, é a capacidade de medir o metabolismo das lesões, mostrando alterações funcionais e anatômicas ao mesmo tempo, permitindo o diagnóstico precoce de tumores, e principalmente das lesões metastáticas.
A utilização do PET-CT vem crescendo gradativamente, sendo arma importante no tratamento do paciente oncológico.
Um dos principais diferenciais do exame é o fato de que em um único teste, podem-se localizar áreas suspeitas, e a seguir explorá-las melhor, com outros exames específicos.
Suas principais indicações são:-
  • Estadiamento tumoral (análise da extensão dos tumores e da presença de metástases à distância).
  • Avaliação de metástases com diagnóstico precoce das mesmas, podendo se tomar medidas adequadas.
  • Controle da eficiência do tratamento ministrado.